bicycle

Somos só o que comemos?

Autor
Margarida Farias
Data
24 Março 2017

Se comer menos e fazer mais exercício bastasse, os resultados teriam que estar á vista pois há 40 anos que é essa a estratégia que nos é recomendada. Mas o facto é que a obesidade e outros problemas alimentares têm vindo a aumentar dramaticamente nos últimos anos.

“Somos o que comemos” é uma frase muito ouvida hoje em dia. E é verdade, e intuitivamente percebemos porquê. Mas ela é só metade da equação da boa alimentação. A pessoa que somos e o estado em que estamos enquanto comemos é a outra metade. Eu explico: podemos estar a comer comida “ 100% verdadeira”, biológica e super saudável mas se por exemplo estivermos stressados o corpo perde, num certo grau, a capacidade de digerir, assimilar e queimar calorias. Na grande maioria dos casos, uma pessoa muito stressada dificilmente consegue emagrecer mesmo que coma corretamente e faça exercício. Ironicamente, muitos benefícios duma dieta geralmente são anulados pela tensão e ansiedade geradas pela manutenção dessa dieta. O sentimento de culpa que surge quando comemos alimentos “maus” ou proibidos pode criar mais toxicidade do que os próprios alimentos em si. E mais, a tensão causada por tentarmos resistir aos alimentos proibidos pode ser igualmente toxica. Claro que devemos preferir os alimentos que promovem a saúde, e que a qualidade importa, e o movimento é essencial mas o estado e a motivação com que se faz algo, faz diferença. Há inegavelmente uma relação entre alimentação e a ciência da mente/corpo.

 

Dizer às pessoas que querem emagrecer: coma menos e faça mais exercício, tem que ter força de vontade, conte as calorias, esta é a dieta que tem que seguir e pese-se regularmente, é stressante, está desatualizado, está errado e não conduz aos resultados que todos queremos alcançar. Isto são estratégias insustentáveis de curto prazo, que infelizmente ainda são a norma.

 

Se comer menos e fazer mais exercício bastasse, os resultados teriam que estar á vista pois há 40 anos que é essa a estratégia que nos é recomendada. Mas o facto é que a obesidade e outros problemas alimentares têm vindo a aumentar dramaticamente nos últimos anos.

 

Temos que ter uma nova abordagem para os problemas alimentares e suas doenças. Na área da alimentação muitas vezes o sintoma contém uma mensagem que aponta para algo mais profundo e aí reside a causa do excesso de peso ou da compulsão alimentar ou… Se calhar temos que nos perguntar o que é na vida daquela pessoa lhe gera stress e ansiedade. As áreas mais geradoras de stress continuam a ser a família, trabalho, dinheiro, sexo, relacionamentos, o futuro, experiencias do passado não digeridas, etc. A pessoa até nos vem consultar porque tem problemas digestivos ou porque quer perder peso, mas eu quero saber tudo sobre a sua vida para a poder ajudar.

 

Vamos ajudar a mudar a vida da pessoa para ajudar a mudar o corpo dessa pessoa. Perder peso tem a ver com ganhar vida!

 

Additional Info

  • Autor Margarida Farias
  • Data 24 Março 2017
  • Resumo

    Se comer menos e fazer mais exercício bastasse, os resultados teriam que estar á vista pois há 40 anos que é essa a estratégia que nos é recomendada. Mas o facto é que a obesidade e outros problemas alimentares têm vindo a aumentar dramaticamente nos últimos anos.

windmill